logo viti sem imagem lateral

História

A criação da Escola de Viticultura e Enologia da Bairrada não se circunscreve a uma causa ou motivo próximo. Efetivamente, as causas são circunstanciais, estratégicas e históricas. As décadas de oitenta e noventa do século passado foram marcadas por uma política agrícola sustentada na extensão rural, o conhecimento técnico e tecnológico do domínio agroindustrial era detido fundamentalmente pelos técnicos do Ministério da Agricultura. A transferência deste conhecimento era vital para o sector agrário absorver eficazmente as ajudas comunitárias, para o seu desenvolvimento e modernização. A fileira vitivinícola dava sinais de potencialidades de emergência, sendo particularmente evidentes na Região da Bairrada onde a concentração de agentes económicos ligados ao sector transformador e comercial assumia e assume particular relevância. Contudo, a carência de recursos humanos especializados constituía um estrangulamento à modernização e competitividade.

A existência de uma estrutura, centenária, especializada de experimentação vitivinícola e com elevadas tradições na formação contínua e na informação vitivinícola especializada com elevada credibilidade no sector empresarial, regional e nacional relevou a extensão rural especializada naquele período.

As carências e constrangimentos orçamentais para a modernização das estruturas estatais conduziram a degradações do património urbano e dos equipamentos incompatíveis com os objetivos de desenvolvimento experimental.

Neste quadro a publicação do Decreto-Lei 26/89 (criação do ensino profissional e organização das escolas profissionais) abriu a oportunidade A Direção Regional de Agricultura da Beira Litoral, através da sua estrutura local, Estação Vitivinícola da Bairrada, liderar o processo de formalização da candidatura à criação da Escola Profissional.

Tendo em vista o objetivo referido, a Estação Vitivinícola consciente das suas limitações nos saberes das áreas científica e sociocultural convidou a Escola Secundária para consigo estabelecer parceria, consciente também do reforço que a Comissão Vitivinícola da Bairrada poderia dar para efeitos de ligação ao sector empresarial foi também convidada a associar-se.

Para efeitos de construção do dossier de candidatura (com elevada complexidade) foi admitido um quadro técnico superior para esse efeito e conduzir o processo.

A criação da Escola, por força do Decreto referido obedecia à aprovação da candidatura por parte do Ministério da Educação e posterior assinatura de um Contrato Programa entre aquele Ministério e os promotores previamente associados através de protocolo.

A iniciativa culminou no dia 30 de Junho de 1991, com a assinatura do Contrato Programa que criava a Escola respetiva organização e funcionamento. O nome da Escola resultou da raiz histórica da Estação Vitivinícola da Bairrada, cuja origem assenta na Escola de Viticultura e Pomologia da Bairrada, criada em 30 de Junho de 1887. Considerando as valências locais e a aposta estratégica da política nacional da altura foi eleita área da viticultura e enologia como objeto de ensino e daí a consequente designação de Escola de Viticultura e Enologia da Bairrada.

Até 1993 a Escola apenas ministrava o Curso Técnico de Viticultura e Enologia, por exiguidade e inadaptação das instalações, contudo por razões de sustentabilidade económica e também pela carência de quadros especializados na área do Marketing do vinho, foi proposto e autorizado o funcionamento do curso de Marketing, Comunicação, Relações Públicas e Publicidade, o qual foi ministrado apenas num ciclo de formação, tendo sido substituído pelo curso de Assistente de Gestão.

Aproveitando o concurso aberto em 1993 para efeitos de reestruturação e modernização das instalações escolares, foi apresentada candidatura para recuperação, ampliação e adaptação das instalações já seculares, que mereceu a respetiva aprovação, propiciando obras de restauro que atingiram os objetivos da candidatura.

A publicação do Decreto-Lei n.º 4/98 veio introduzir obrigações de propriedade, de organização interna e responsabilidades, que obrigou à criação da Associação Escola Profissional de Viticultura e Enologia da Beira Litoral que passou a deter a propriedade da Escola de Viticultura e Enologia da Bairrada (EVEB) e as responsabilidades daí advindas.

A liberalização, a partir de 2007, de candidaturas a novas turmas e novos cursos e a oportunidade aberta para novas tipologias de formação permitiu à Escola encetar um plano de crescimento e de adaptação estratégica às novas necessidades de mercado, para novas áreas de formação.

Registo biográfico do primeiro aluno da escola [ver aqui]